VISITAS

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

27 de Fevereiro de 1964




O Ministro da Justiça de João Goulart, Abelardo Jurema, declarou que o Presidente falará de " qualquer maneira " no dia 13 de Março.



Jurema disse que Jango " pode falar em qualquer parte do território nacional sem necessitar de autorização de qualquer Coronel Borges ".


Cel. Gustavo Borges





Ministro Abelardo Jurema


Veja o Link da Capa do Jornal Folha de S.Paulo, do dia 27 de Fevereiro de 1964:


http://acervo.folha.com.br/fsp/1964/02/27/2//5393560

O Democrático Supremo Tribunal Federal ( STF )



STF descarta formação de quadrilha e livra Dirceu do regime fechado
 



Aí está a mais nova decisão do Supremo Tribunal Federal ( STF ).

O que se diz é que uma decisão do STF não deve ser questionada e sim cumprida !

Depende...

Depende da parte envolvida. Isso democraticamente, é claro  !!!



Um alento são as palavras do Ministro Joaquim Barbosa.





Veja e Ouça:

http://tvuol.uol.com.br/video/este-e-apenas-o-1-passo-diz-barbosa-apos-absolvicao-de-reus-0402CC983660C0C94326/



General Torres de Melo




Acabo de ler cinco livros que me colocaram em depressão.

Uma Década Perdida, de Marques Antonio Villa, Dirceu,  de Otávio Cabral, O Chefe, de Ivo Patarra, O Que Sei de Lula,  de Nëumanne Pinto e Um Assassinato de Reputações, de Tuma Junior.

Cada página era uma desesperança com o destino do nosso País.

Cada linha um choque de desespero.

Cada término de um capítulo a certeza de que estamos mergulhados na mais deslavada corrupção moral de nossa história. Tudo será verdade? Meias verdades, serão?  Será tudo verdade inteira? Não sei, mas que é triste é. Nada se apura? Onde estamos?

        Pensei em parar com a luta de 22 anos junto com o GRUPO GUARARAPES, achando que nossos apelos estavam caindo no vazio. A sensação de impotência causa um sentimento de frustração, que nos leva ao desânimo. Ouvi de companheiros: “Não há solução. Tudo se encontra perdido” é algo acachapante, esmagador.

        Passei a perguntar a mim mesmo: “não estou fora do tempo com meus 89 anos? Será que os meus valores não estão ultrapassados? Será que o Sermão da Montanha não mais tem valor ético? Será que os dez mandamentos foram lançados por Deus para serem jogados ao vento?

         Encontro-me perdido num mundo em ebulição, onde o sexo, o dinheiro e o poder  justificam as ações humanas. Assisto o esmagamento dos valores éticos que nos foram ensinados pelos nossos antepassados, instrutores e professores.

        VERDADE? O que esta coisa esdrúxula significa na nossa sociedade atual? Parece que se valoriza a MENTIRA para que medíocres nos governem.

        JUSTIÇA? Pobre palavra que morreu na sociedade brasileira. Bandidos endeusados, STF atacado de maneira irresponsável, Juízes  e até o Presidente do STF vilipendiados pela mídia que quer implantar um sistema ditatorial.

        HONESTIDADE? Onde ela mora no nosso País? Ela é uma obrigação fundamental do cidadão e quando se diz que é uma qualidade há algo de errado em tudo isso.

 Dizer que fulano é honesto é a total distorção dos valores morais. Ser honesto é DEVER. Quando líderes políticos vão a tribuna defender bandidos podemos aguardar o caos. Roma é a história. Onde estão os nossos CÍCEROS para combater os CATILINAS?

        Penso e penso e quanto mais penso, preocupado fico com o destino que nos aguarda. Há algo que precisa ser entendido por todos nós.

Da escravidão do Poder Absoluto dos Reis passou-se a gritar LIBERDADE – IGUALDADE - FRATERNIDADE. Foi a revolução francesa que mudou, mesmo com a presença da guilhotina.

Século XIX e revoluções buscando a pregação da liberdade. Fomos parar na Primeira Guerra Mundial, a queda dos impérios e a pregação do socialismo a ferro e fogo.

O século XX, com os sistemas de governos ditatoriais, coloca-o como o mais bárbaro da história da humanidade. Voltou-se a barbárie. Os CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO e os GULAGS são os símbolos da desgraça humana. 2ª Guerra Mundial e até a bomba atômica.

Se no século XIX a luta era pela liberdade, no século XX pregava-se a igualdade e o resultado aí se encontra: o socialismo fracassou e o resultado levou a evolução para o homem individual. Todos sentados à frente duma maquina que fala e que parece saber tudo.

O TABLET não será o símbolo do egoísmo humano presente?

Vive-se o dia a dia, sofregamente. A mediocridade acredita que ela (máquina) resolverá tudo. O dia de amanhã não existe. O hoje na busca do desejo, da ambição, da cobiça e da avidez. Ser rico de dinheiro e não ser rico de valores internos, que dignificam a alma, é o viver do mundo presente.

Quando Emile Zola lançou, J’ACCUSE na defesa da VERDADE, foi quase tudo expresso no pensamento:

 Meu dever é de falar, não quero ser cúmplice. Minhas noites seriam atormentadas pelo espectro do inocente que paga, na mais horrível das torturas, por um crime que ele não cometeu”.     

Nós, neste documento, queremos colocar a nu a nossa revolta, como estão tratando o nosso Brasil.

Preciso dormir. Meu dever, como cidadão, penso, é de falar. Não quero ser cúmplice da desgraça de meu País. Ao terminar a leitura do livro do delegado TUMA veio a ira  e a certeza de que não podemos abandonar a luta.

Zola era só e a VERDADE VENCEU. Se os brasileiros forem esclarecidos torna-se-ão cada um, um ZOLA. A Pátria não pode ser destruida pela passiividade de seus filhos.

Abri um e-mail. Era uma biblioteca. Estava pensando em abandonar a luta e o destino fez clicar num livro e surge na minha frente algo que me despertou para continuar de sentinela. Vejam o que encontrei:

“Quantas vezes nós pensamos em desistir, deixando de lado o ideal e os sonhos.

 Quantas vezes batemos em retirada, com o coração amargurado pela injustiça.

Quantas vezes falamos sem ser notados.

Quantas vezes lutamos por uma causa perdida.

Quantas vezes voltamos para a casa com a sensação da derrota.

Quantas vezes aquela lágrima teima em cair; justamente na hora em que precisamos parecer forte.

Quantas vezes pedimos a Deus um pouco de força e de luz e a resposta vem, seja lá como for, um sorriso, um olhar cúmplice, um cartãozinho, um bilhete, um gesto de amor.

E a gente insiste. Insiste em prosseguir, em acreditar em transformar, em dividir, em estar, em ser.

E Deus insiste em nos abençoar, em nos mostrar o caminho aquele, mais difícil, mais complicado, mais bonito.

E a gente insiste em seguir, por ter uma missão, ser FELIZ.”

São vinte dois anos no campo da luta das idéias. Há uma esperança. Livros já são escritos e os VENDILHÕES DO ALTAR SAGRADO DA PÁTRIA SÃO EXPOSTOS à luz da VERDADE..

Estamos seguindo a lição de luta de EMILE  ZOLA quando afirmou:“A verdade marcha e nada conseguirá detê-la”.

      Como cantou OLAVO BILAC:

 “A pátria não é a raça, não é o meio, não é o conjunto dos aparelhos econômicos e políticos: é o idioma criado ou herdado pelo povo” ou como escreveu o grande RUI BARBOSA:

 "A pátria não é ninguém; são todos; e cada qual tem no seio dela o mesmo direito à ideia, à palavra, à associação. A pátria não é um sistema, nem uma seita, nem um monopólio, nem uma forma de governo; é o céu, o solo, o povo, a tradição, a consciência, o lar, o berço dos filhos e o túmulo dos antepassados, a comunhão da lei, da língua e da liberdade. "

General Torres de Melo, coordenador do GRUPO GUARARAPES

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Bom Senso




“Governo veta a Copa no Brasil”

No dia 11 de março de 1983, o Jornal Zero Hora de Porto Alegre (RS) publicou a seguinte manchete:

“Governo veta a Copa no Brasil”


Considerava ser um gasto desnecessário e inconveniente !!!


Exposição de motivos do Presidente da República João Figueiredo (1979 a 1985) para o Presidente da FIFA João Havelange (1974 a 1998): 

" Você conhece alguma favela do Rio de Janeiro ? "

" Você já viu a seca no Nordeste ? "

" E você acha que eu vou gastar dinheiro com estádio de futebol ? "
 
 

Sincronização da História




 
"Erros foram praticados durante o regime militar, eram tempos
difíceis. Claro que, no reverso da medalha, foi promovida ampla
modernização das nossas estruturas materiais. Fica para o historiador do futuro emitir a sentença para aqueles tempos bicudos."
 
Mas uma evidência salta aos olhos: a honestidade pessoal de cada um!
Uma coisa é errar ...
Ser honesto está em outra esfera  ...
 
 
Quando Castello Branco morreu num desastre de avião, verificaram os herdeiros que seu patrimônio limitava-se a um apartamento em Ipanema e umas poucas ações de empresas públicas e privadas...
 

 
 
 

 
 
Costa e Silva, acometido por um derrame cerebral, recebeu de favor o privilégio de permanecer até o desenlace no Palácio das Laranjeiras, deixando para a viúva a pensão de marechal e um apartamento em construção, em Copacabana.
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Garrastazu Médici dispunha, como herança de família, de uma fazenda de gado em Bagé, mas quando adoeceu precisou ser tratado no Hospital da Aeronáutica, no Galeão.
 

   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Ernesto Geisel, antes de assumir a presidência da República, comprou o Sítio dos Cinamonos, em Teresópolis, que a filha vendeu para poder manter-se no apartamento de três quartos e sala, no Rio de Janeiro.
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
João Figueiredo, depois de deixar o poder, não aguentou as despesas do Sítio do Dragão, em Petrópolis, vendendo primeiro os cavalos e depois a propriedade. Sua viúva, recentemente falecida, deixou um apartamento em São Conrado que os filhos agora colocaram à venda, ao que parece em estado de lamentável conservação.
OBS: foi operado no Hospital dos Servidores do Estado, no Rio.
 
   
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Não é nada, não é nada, mas os cinco Generais-Presidentes cometeram erros, mas não se meteram em negócios, não enriqueceram nem receberam benesses de empreiteiras beneficiadas durante seus governos.
 
Sequer criaram institutos destinados a preservar seus documentos ou agenciar contratos para consultorias e palestras regiamente remuneradas.
Bem diferente dos tempos atuais, não é?

 

Acrescento:
 
Nenhum deles mandou fazer um filme pseudobiográfico, pago com dinheiro público, de auto-exaltação e culto à própria personalidade!

Nenhum deles usou dinheiro público para fazer um parque homenageando a própria mãe.

Nenhum deles usou o Hospital Sírio-Libanês.

Nenhum deles comprou avião de luxo no exterior.

Nenhum deles enviou nosso dinheiro para "ajudar" outro país.

Nenhum deles saiu de Brasília, ao fim do mandato, acompanhado por 11 caminhões lotados de toda espécie de móveis e objetos roubados.

Nenhum deles exaltou a ignorância.

Nenhum deles destruía a língua portuguesa ao simplesmente, falar ...

Nenhum deles apareceu embriagado em público.

Nenhum deles passou a apoiar notórios desonestos depois de tê-los chamado de ladrões.
 
Nenhum deles perdoou dívidas de outras países, que significa dinheiro público, sem consultar seus donos ( via plebiscito, talvez ).



 
 
 

“A vida é uma peça de teatro que não aceita ensaios. Por isso, cante, dance, ria e viva intensamente antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos.”  

 

Charlie Chaplin

26 de Fevereiro de 1964





O Governador da Guanabara, Carlos Lacerda, proibiu a realização do comício marcado para o dia 13 de Março, na Praça da República, centro do Rio de Janeiro.

A proibição foi anunciada pelo Secretário de Segurança, Cel. Gustavo Borges.

De acordo com o Coronel: " ...  ali não é local para concentrações desse tipo e o comício somente será realizado se o Exército ocupar a praça ... "

Esse comício é promovido por líderes sindicais e existe a programação da assinatura do decreto, por Jango, de desapropriações de terra.


Veja o Link da Capa do Jornal Folha de S.Paulo, de 26 de Fevereiro de 1964:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1964/02/26/2//5393485

sábado, 22 de fevereiro de 2014

PÓS RENÚNCIA DE JÂNIO QUADROS - 26 DE AGOSTO DE 1961



No dia seguinte à renúncia do Presidente Jânio Quadros, assume a Presidência o Presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli, uma vez que o Vice-Presidente João Goulart estava em viagem à China. Recebera a notícia da renúncia de Jânio em Cingapura, já no percurso de volta ao Brasil.
Mazzilli cumpriria o mandato até o dia 07 de Setembro de 1961.

Nesse momento, segmentos conservadores da sociedade civil, políticos mais conservadores como os governadores Carlos Lacerda ( Guanabara ) e Magalhães Pinto ( Minas Gerais ), além de uma parte das Forças Armadas ( os 3 Ministros Militares ) não aceitavam que Goulart assumisse a Presidência, apesar de ser legítimo perante a Constituição de 1946, por entenderem que colocaria a segurança nacional em risco e pelo fato de Goulart estar comprometido com o comunismo.

Havia um temor real de que o Brasil se transformasse numa sucursal da União Soviética, tal qual acontecera com Cuba há 2 anos.

Perante esse risco o Marechal Teixeira Lott manifestou-se nessa carta:



PRONUNCIAMENTO DO MARECHAL HENRIQUE LOTT EM 26 DE AGOSTO DE 1961, DIA SEGUINTE À RENÚNCIA DE JÂNIO QUADROS, CONTRAPONDO-SE AO MINISTRO DA GUERRA, CONTRÁRIO À POSSE DE JOÃO GOULART, E QUE O LEVARIA À PRISÃO



" Tomei conhecimento, nesta data, da decisão do Senhor Ministro da Guerra, Marechal Odílio Denis, manifestada ao representante do governo do Rio Grande do Sul, deputado Rui Ramos, no Palácio do Planalto, em Brasília, de não permitir que o atual Presidente da República, Sr. João Goulart, entre no exercício de suas funções, e ainda, de detê-lo no momento em que pise o território nacional.

Mediante ligação telefônica, tentei demover aquele eminente colega da prática de semelhante violência, sem obter resultado. Embora afastado das atividades militares, mantenho um compromisso de honra com a minha classe, com a minha pátria e as suas instituições democráticas e constitucionais. E, por isso, sinto-me no indeclinável dever de manifestar o meu repúdio à solução anormal e arbitrária que se pretende impor à Nação.

Dentro dessa orientação, conclamo todas as forças vivas do país, as forças da produção e do pensamento, dos estudantes e intelectuais, dos operários e o povo em geral, para tomar posição decisiva e enérgica no respeito à Constituição e preservação integral do regime democrático brasileiro, certo ainda de que os meus camaradas das Forças Armadas saberão portar-se à altura das tradições legalistas que marcam sua história no destino da Pátria " .
 


Veja o Link  -  26 de Agosto de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/08/26/2//4489740

Link de 28 de Agosto de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/08/28/2//4489778


A posse de João Goulart foi garantida mediante uma mudança no regime a vigorar a partir daquele momento.
O Congresso Nacional promulga o Ato Adicional que institui o regime Parlamentarista, sendo o Presidente, João Goulart e o Primeiro-Ministro, Tancredo Neves.


Link de 03 de Setembro de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/09/03/2//4490172


João Goulart assumiria a Presidência da República no dia 07 de Setembro de 1961.


Link de 07 de Setembro de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/09/07/2//4490480



Abaixo o discurso de posse de João Goulart:

http://www.youtube.com/watch?v=ycnowDvYpvo



Abaixo a primeira entrevista do Presidente João Goulart, após a sua posse:

http://www.youtube.com/watch?v=ycnowDvYpvo



FOTOS DA POSSE DE JOÃO GOULART

 
RANIERI MAZZILLI PASSA A FAIXA A JANGO
 

 
JANGO E MAZZILLI


22 de Fevereiro de 1964




Presidente João Goulart decreta hoje o novo salário mínimo.

Em discurso realizado ontem, na Vila Militar, o Presidente disse " que o Exército tem a tradição de ter estado, ao longo de toda sua história, ao lado dos sentimentos legítimos e das aspirações mais legítimas do seu país e do povo brasileiro ".

O Governador da Guanabara, Carlos Lacerda, disse ontem que o Presidente é um fraco dominado por um grupo de comunistas, que são ao mesmo tempo seus porta-vozes e seus mentores.
Disse ainda, que a cada dia o governo dá um golpe com data marcada e viola a Constituição a cada dia.


Veja o Link da Capa do Jornal Folha de S.Paulo, do dia 22 de Fevereiro de 1964:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1964/02/22/2//5393242


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Processo Pré 31 de Março de 1964



As eleições de 03 de Outubro de 1960 foram muito importante para a sequência dos
próximos 4 anos no Brasil.

Os candidatos eram Jânio da Silva Quadros, pelo PTN ( Partido Trabalhista Nacional ), o Marechal Henrique Baptista Duffles Teixeira Lott, pelo PSD ( Partido Social Democrático ) e Adhemar Pereira de Barros, pelo PSP ( Partido Social Progressista ).

A candidatura para a Vice-Presidência ( de acordo com a vigência da Constituição de 1946 ) era independente e concorreram João Belchior Marques Goulart, pelo PSD e Milton Campos, pela UDN ( União Democrática Nacional ) e Fernando Ferrari, pelo MTR ( Movimento Trabalhista Renovador ).

Venceram as eleições Jânio Quadros, para a Presidência da República, com mais de 5 milhões de votos ( 48,3% ) e João Goulart, para a Vice-Presidência, com 4,5 milhões de votos ( 36,1% ).

Jânio Quadros governou do dia 31 de Janeiro de 1961 até 25 de Agosto de 1961.

Exatos 206 dias.



 
 
Ao Congresso Nacional
 
Nesta data, e por este instrumento, deixando com o Ministro da Justiça, as razões de meu ato, renuncio ao mandato de Presidente da República.
Brasília, 25.8.61


A carta entregue ao Ministro da Justiça, Oscar Pedroso Horta, tinha o seguinte conteúdo:

Fui vencido pela reação e assim deixo o governo. Nestes sete meses cumpri o meu dever. Tenho-o cumprido dia e noite, trabalhando infatigavelmente, sem prevenções, nem rancores. Mas baldaram-se os meus esforços para conduzir esta nação, que pelo caminho de sua verdadeira libertação política e econômica, a única que possibilitaria o progresso efetivo e a justiça social, a que tem direito o seu generoso povo.
"Desejei um Brasil para os brasileiros, afrontando, nesse sonho, a corrupção, a mentira e a covardia que subordinam os interesses gerais aos apetites e às ambições de grupos ou de indivíduos, inclusive do exterior. Sinto-me, porém, esmagado. Forças terríveis levantam-se contra mim e me intrigam ou infamam, até com a desculpa de colaboração.
"Se permanecesse, não manteria a confiança e a tranquilidade, ora quebradas, indispensáveis ao exercício da minha autoridade. Creio mesmo que não manteria a própria paz pública.
"Encerro, assim, com o pensamento voltado para a nossa gente, para os estudantes, para os operários, para a grande família do Brasil, esta página da minha vida e da vida nacional. A mim não falta a coragem da renúncia.
"Saio com um agradecimento e um apelo. O agradecimento é aos companheiros que comigo lutaram e me sustentaram dentro e fora do governo e, de forma especial, às Forças Armadas, cuja conduta exemplar, em todos os instantes, proclamo nesta oportunidade. O apelo é no sentido da ordem, do congraçamento, do respeito e da estima de cada um dos meus patrícios, para todos e de todos para cada um.
"Somente assim seremos dignos deste país e do mundo. Somente assim seremos dignos de nossa herança e da nossa predestinação cristã. Retorno agora ao meu trabalho de advogado e professor. Trabalharemos todos. Há muitas formas de servir nossa pátria."
Brasília, 25 de agosto de 1961.


Ouça abaixo a notícia da renúncia pelo Repórter Esso:


http://www.youtube.com/watch?v=OzBOyyamZSg



Após a renúncia do Presidente Jânio Quadros, assume a Presidência o Presidente da Câmara Federal, Ranieri Mazzilli que tomava posse interinamente no cargo, até o retorno do vice-Presidente João Goulart, que se achava em viagem oficial à China.


 
JÂNIO QUADROS E ERNESTO CHE GUEVARA






RANIERI MAZZILLI