VISITAS

sábado, 22 de fevereiro de 2014

PÓS RENÚNCIA DE JÂNIO QUADROS - 26 DE AGOSTO DE 1961



No dia seguinte à renúncia do Presidente Jânio Quadros, assume a Presidência o Presidente da Câmara dos Deputados, Ranieri Mazzilli, uma vez que o Vice-Presidente João Goulart estava em viagem à China. Recebera a notícia da renúncia de Jânio em Cingapura, já no percurso de volta ao Brasil.
Mazzilli cumpriria o mandato até o dia 07 de Setembro de 1961.

Nesse momento, segmentos conservadores da sociedade civil, políticos mais conservadores como os governadores Carlos Lacerda ( Guanabara ) e Magalhães Pinto ( Minas Gerais ), além de uma parte das Forças Armadas ( os 3 Ministros Militares ) não aceitavam que Goulart assumisse a Presidência, apesar de ser legítimo perante a Constituição de 1946, por entenderem que colocaria a segurança nacional em risco e pelo fato de Goulart estar comprometido com o comunismo.

Havia um temor real de que o Brasil se transformasse numa sucursal da União Soviética, tal qual acontecera com Cuba há 2 anos.

Perante esse risco o Marechal Teixeira Lott manifestou-se nessa carta:



PRONUNCIAMENTO DO MARECHAL HENRIQUE LOTT EM 26 DE AGOSTO DE 1961, DIA SEGUINTE À RENÚNCIA DE JÂNIO QUADROS, CONTRAPONDO-SE AO MINISTRO DA GUERRA, CONTRÁRIO À POSSE DE JOÃO GOULART, E QUE O LEVARIA À PRISÃO



" Tomei conhecimento, nesta data, da decisão do Senhor Ministro da Guerra, Marechal Odílio Denis, manifestada ao representante do governo do Rio Grande do Sul, deputado Rui Ramos, no Palácio do Planalto, em Brasília, de não permitir que o atual Presidente da República, Sr. João Goulart, entre no exercício de suas funções, e ainda, de detê-lo no momento em que pise o território nacional.

Mediante ligação telefônica, tentei demover aquele eminente colega da prática de semelhante violência, sem obter resultado. Embora afastado das atividades militares, mantenho um compromisso de honra com a minha classe, com a minha pátria e as suas instituições democráticas e constitucionais. E, por isso, sinto-me no indeclinável dever de manifestar o meu repúdio à solução anormal e arbitrária que se pretende impor à Nação.

Dentro dessa orientação, conclamo todas as forças vivas do país, as forças da produção e do pensamento, dos estudantes e intelectuais, dos operários e o povo em geral, para tomar posição decisiva e enérgica no respeito à Constituição e preservação integral do regime democrático brasileiro, certo ainda de que os meus camaradas das Forças Armadas saberão portar-se à altura das tradições legalistas que marcam sua história no destino da Pátria " .
 


Veja o Link  -  26 de Agosto de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/08/26/2//4489740

Link de 28 de Agosto de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/08/28/2//4489778


A posse de João Goulart foi garantida mediante uma mudança no regime a vigorar a partir daquele momento.
O Congresso Nacional promulga o Ato Adicional que institui o regime Parlamentarista, sendo o Presidente, João Goulart e o Primeiro-Ministro, Tancredo Neves.


Link de 03 de Setembro de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/09/03/2//4490172


João Goulart assumiria a Presidência da República no dia 07 de Setembro de 1961.


Link de 07 de Setembro de 1961:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1961/09/07/2//4490480



Abaixo o discurso de posse de João Goulart:

http://www.youtube.com/watch?v=ycnowDvYpvo



Abaixo a primeira entrevista do Presidente João Goulart, após a sua posse:

http://www.youtube.com/watch?v=ycnowDvYpvo



FOTOS DA POSSE DE JOÃO GOULART

 
RANIERI MAZZILLI PASSA A FAIXA A JANGO
 

 
JANGO E MAZZILLI


22 de Fevereiro de 1964




Presidente João Goulart decreta hoje o novo salário mínimo.

Em discurso realizado ontem, na Vila Militar, o Presidente disse " que o Exército tem a tradição de ter estado, ao longo de toda sua história, ao lado dos sentimentos legítimos e das aspirações mais legítimas do seu país e do povo brasileiro ".

O Governador da Guanabara, Carlos Lacerda, disse ontem que o Presidente é um fraco dominado por um grupo de comunistas, que são ao mesmo tempo seus porta-vozes e seus mentores.
Disse ainda, que a cada dia o governo dá um golpe com data marcada e viola a Constituição a cada dia.


Veja o Link da Capa do Jornal Folha de S.Paulo, do dia 22 de Fevereiro de 1964:

http://acervo.folha.com.br/fsp/1964/02/22/2//5393242